terça-feira, 1 de junho de 2010

Desabafo

Após o meu surto psicótico resolvi deletar todas as entradas do blog. Sim, surtei!

Hoje, após um novo surto de raiva e estresse, resolvi dar continuidade e colocar minhas idéias, desabafos e visões aqui no blog. Não o divulgo, ele serve apenas para não alugar os ouvidos de alguém com as minhas baboseira, uma forma de desabafo.

Hoje estou em um dia particularmente estressante. Parece que por mais que eu me dedique a algo ou a alguém, ninguém se importa. Tento me desdobrar ao máximo para ser bom filho, bom irmão, bom aluno, bom colega de trabalho, bom colaborador, bom namorado... Mas é impossível ser bom em tudo, principalmente quando todos esperam que eu seja O MELHOR para elas.
Esse é o problema, crio expectativas demais nas pessoas. Não, eu não sou o seu melhor aluno, professora. Não, eu não sou o melhor filho, mãe. Não, eu não sou o irmão que você pediu a Deus. Não, eu não te amo como eu deveria, amor. Sou imperfeito, sou fraco e estou cansado. As vezes preciso de um tempo pra me dedicar a um lado da minha vida em especial. Mas como fazer isso se todos esperam demais da minha pessoa? Ainda não encontrei resposta a essa pergunta.

Pior, além de determinadas pessoas não entenderem, algumas delas se acham no direito de despejar tudo o que pensam, em alto e bom som. Sorte delas que sou educado, mas a paci~encia um dia acaba e olha, vai por mim, não queira me ver nervoso.
Acho também que por mais alto que seja o nível hierárquico em que a pessoa esteja, ela só pode elevar o tom de voz e despejar tudo o que pensa se estiver disposta a escutar o que a outra pessoa pensa também. Pelo menos queria que fosse assim comigo (Dica!). Gritar, descabelar e sair, é fácil mas muito difícil para mim, que tenho que voltar para casa com as coisas entaladas na garganta. Não é difícil aprender a escutar, basta treino. Entender os motivos que me levara a tomar determinada atitude, é um passo mais difícil mas não impossível, também.
Sejam mais paciêntes comigo, por favor. Eu no mais alto da minha irritação e bipolaridade não saio por aí desrespeitando o primeiro que vejo na frente.

Outra coisa que me irrita muito é a falta de compromisso e a inércia existencial que algumas pessoas tem frente a vida (ou aos problemas dela). Tá com algum problema? Mexa-se... vá encontrar a solução. Esgote todas as possibilidades. Só não fiquei parado esperando que alguém resolva por você. Existem coisas que só você pode fazer por você mesmo, já aprendi isso.
Lógico, quando alguém precisa de mim, eu paro o que estiver fazendo para ajudar, com gosto inclusive. Corrijo relatórios, traduzo artigos, resolvo contas, arrumo eletrodos, escuto a mesma história pela n-ésima vez, enfim... Um obrigado as vezes eu recebo, mas bem raro. Mas e quando eu não posso ajudar? Daí vem o dilema. Eu também tenho minhas tarefas, meus compromissos (Ah vá, é mesmo?), será que ninguém vê isso? Parece que um 'não' é pior que um murro no nariz. Gente, não tenho/posso estar disponível pra todos 24h do meu dia. É por isso que odeio telefone, principalmente o móvel (vulgo celular). Não sou obrigado a atender, só porque carrego ele comigo. Sim eu sou chato, eu sei também. Aí vai uma dica: antes de encher o saco de alguém pra pedir ajuda ou que resolvam o seu pepino, tente resolver por si. É bom que você aprende.

Enfim, as vezes eu queria que as pessoas soubessem disso, sinto a necessidade de falar para que talvez entendam. Mas depois caio em mim e retorno a mesma opinião, de que as pessoas deveriam entender por si, isso chama-se empatia. Isso pode ser cobrança demais da minha parte para com algumas pessoas, eu sei, e por isso acabo me martirizando tanto (sozinho sem atacar ninguém).

Enfim, esse é o meu desabafo. Espero que me perdoem por não ser tudo aquilo que você esperava que eu seja. E é com esse pedido de desculpas que eu encerro o texto.

Nenhum comentário: